quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Soneto Livre




A madrugada fria que aguça  minha saudade
Estampada nas paredes nuas vestidas de solidão,
Lacera o meu ser com precisão e tal impiedade
Que já não tenho mais placidez em meu coração.

Nas minhas noites notívagas e entediantes
Um dilúvio de nostalgia invade minh’ alma.
Quisera ser do amor uma boa comediante
Para suportar sua ausência com toda calma.

Cada minuto sem você se vai minha alegria
Cada amanhecer evoca lembranças nossas
Tenho fome desse amor, minha doce magia...

Sonhos e desejos desenhando sua expressão
Versos doridos escritos em horas mortas
O silêncio se desfazendo em lágrimas de paixão

dinapoetisadapaz

19 comentários:

  1. Maravilhoso teu soneto,Diná! Lindo dia! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Um soneto maravilhoso que muito me encantou, Diná querida.
    Tenha uma linda tarde.
    Beijinhos carinhosos de
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Chica e Verena, vcs são umas queridas.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Sempre devemos cantar a saudade, rumo ao positivismo e à felicidade, o nosso verdadeiro caminho.
    Belo soneto, é de apreciar e gostar.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. É difícil suportar a fome de amor!
    Nada preenche o espaço deixado nas noites frias!
    Belo soneto, Diná!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Daniel,
    Direcionar a saudade para o caminho do esquecimento e esperar um novo descortinar.
    Obrigada pela visita.
    Abçs!

    ResponderExcluir
  7. Vitor, seu comentário disse tudo. é isso mesmo.
    Grata pela visita.
    Abçs!

    ResponderExcluir
  8. Um lindo soneto!
    O blog está uma graça, não sabia que você tinha este blog! Já seguindo!

    ResponderExcluir
  9. A saudade dilacera o coração de quem tanto ama ,maravilhosa querida amiga ,beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Minha linda amiga
    E como é difícil suportar a ausência e a saudade de um grande amor
    E noites vazias o coração sangra de dor
    Lindíssimo poema amiga Dina
    Beijos e muitos afagos minha amiga

    ResponderExcluir
  11. Oi querida,
    Lindo soneto de solidão
    Você consegue fazer o inevitável viável
    Beijos
    Dorli Ramos

    ResponderExcluir
  12. Oh Dorli, saudade e solidão são temas que nos inspira.Obrigada por apreciar minhas linhas.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  13. E quando o coração sangra a saída é timbrar no papel, nos deixa mais leves!
    Grata pela leitura e as gentis palavras.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Emanuel, não consigo acessar seu blog, então agradeço aqui mesmo sua honrosa visita e leitura.
    Bjs no coração!

    ResponderExcluir
  15. Ana Bailune, esse blog é novo; Prazer em receber sua visita e tê-la como seguidora!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  16. Olá querida Diná
    Dilúvio atinge e gente em vários âmbitos... poetar sobre eles ou alguns deles é preciosidade da alma...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  17. Adorei o texto;
    um belo soneto....ahh o amor que por vezes nos
    faz conhecer a solidão...

    Obrigada por passar lá no blog:)

    Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  18. Pois é Rosélia, ainda bem que existe a poesia, e nela desaguamos.
    Noite de paz, desejo!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  19. Dani, a solidão no mais das vezes rendes alguns versos.
    Grata pela visita.
    Bjs!

    ResponderExcluir

Seu comentário será bem vindo, deixe suas impressões ,sua visita será retribuída com carinho.

Bom dia, Boa tarde, Boa noite!