segunda-feira, 22 de junho de 2015

Pouco Importa (Rondel)


Pouco importa as antigas decepções
Que desalinhou minha estrutura interior.
Importa a certeza de que as privações
Ensinaram-me a conter e a decompor.

Aprendi a arrumar as minhas gavetas,
Ouvi com atenção, do coração um clamor.
Pouco importa as antigas decepções
Que desalinhou minha estrutura interior.

Alma leve, coração aberto às novas emoções,
Na velocidade do tempo, esvaiu-se a dor,
Tudo arrumado para captar novas sensações
Meu coração está como um botão em flor.
Pouco importa as antigas decepções.


dinapoetisadapaz

Desilusão Poética


No mundo das linhas,
das entrelinhas,
meus pensamento eu rabisco,
dou vida, forma e cores
ao meu canto, ao sonho,
e transformo meu pranto
num largo sorriso.

Escrevo, danço,
apresento meus traços
e penso que faço arte.
Mas, eu não escrevo é nada.
Simplesmente eu não aconteço!

O que me falta?
O que é preciso descobrir?
O talento,
o jeito certo
de poetizar?

Falta coerência,
Ou sobra inconsistência?

Vou procurar
o verbo “IR”,
ir em busca
da inspiração.


dinapoetisadapaz



Doces Lembranças


De ti, guardo as mais doces lembranças
E o sabor dos seus ardentes beijos...
No instante que se desfez nossa aliança,
Senti no peito o mais forte dos arquejos.

Meu coração vive em perene sangria,
Sofre calado, de ti separado, sufocando
Meu viver; sem teus carinhos minha alegria
Transformou-se num triste penar, amargando

A saudade das noites de amor aquecida
Em teus braços com pleno assentimento.
Hoje no meu ninho, há espinhos e feridas.
Escrevo esses versos como um linimento

Para meu coração que ainda sofre a dor
Do afrouxamento dos laços que nos unia.
Ah! Quanto amor prometido com furor
Mas, pensando bem, tu apenas fingias.

dinapoetisadapaz